-

Cauê de Barros Braga. "Entrevista" .

Biografia
Nascido a 21 de novembro de 1985 (Rio Branco), Cauê de Barros Braga se demonstrou desde cedo um apreciador da Arte. Uma arte não somente bela, mas crítica, de cunho contracultural, como uma ponte teórica ao mundo da marginalidade, o universo dos conflitos humanos, na sua forma crua e fatal. Foi assim que surgiu sua paixão pelo ocultismo, o que o levou a buscar fontes em inúmeras religiões, alçando vôo aos recantos obscuros do ocidente.
 Sua paixão pela poesia se originou ainda aos 17, quando teceu seus primeiros poemas, todos com uma estética forte, difícil de ser degustada.  Filosoficamente encontrou guarida na teoria nietzschiana, uma dualidade que lentamente absorveu, indo de encontro aos dogmas professados pela cultura Judaico-Cristã. De um lado a besta-fera feita homem, de outro o homem-deus, sumamente bondoso e fraterno, dois antônimos numa só criatura.
O diabo acabou como uma figura central em suas dissertações, na sua forma de ver o mundo, contrastando com o deus sacrificado intitulado Cristo... Lúcifer, a entidade mítica do inferno, se torno uma sombra cada vez mais voraz, ameaçando sua sanidade, dilacerando seu pobre peito.  De fato tentou incorporar tais dilemas em uma proposta inteiramente nova, se munindo do método dialético de modo à romper com o maniqueísmo vingente. Neste quesito a criatividade se fez valer, onde erigiu um misticismo de modo à exaltar a “majestade da noite”.
Foi assim que descobriu o outro lado não oficial dos fatos, estudando o Satanismo/Luciferianismo, o Goticismo, o Vampirismo, o Thelemismo e a Cultura Draco-Typhoniana,. Decerto que tais mergulhos não foram fáceis, não havia um instrutor palmilhando o caminho, de modo a encurtar o trajeto.
Com uma mente extremamente inquieta e instancial, assumiu inúmeros papéis, hora de esquerda, hora de direita. O fim de tudo foi claro: desfazer-se de saberes inúteis, logrando atravessar os umbrais da iniciação. A Gnose Real foi finalmente avistada no quaternário, o símbolo sagrado dos Rosacruzes e Maçons - o sacrifício do ego para a exaltação suprema do Self...  Arcanos estes geralmente desconhecidos pelo vulgo (plano exotérico).
Sem um deus antropomórfico à quem adorar, o culto ao Deus interior foi seriamente ameaçado, uma depressão cada vez mais crescente onde a vida lentamente “perdeu o sentido”, pelo menos à princípio. A solidão se tornou o ambiente de sua suma inspiração, a partir daí uma outra liturgia haveria de ser escrita, uma aurora inteiramente banhada na luz do entardecer.  Surgiram então um punhado de livros expressando suas vivências, onde não tardou à compilar cada apontamento de suas informadas reflexões... Uma inversão semântica toda repleta de nuâncias!



Cauê de Barros Braga. (Entrevista)

 Vamp ­– Primeiro gostaria de agradecer sua presença neste blog. É uma honra poder conhecer um pouco mais sobre sua pessoa e trabalhos, esclarecendo a todos nós, vários pontos de sua ideologia e abordagem.  Sabemos que esta é a primeira entrevista depois que sua carreira como escritor começou, fale-nos um pouco sobre isso...
Cauê Braga -  Olá, a honra é toda minha. É sempre um prazer contar com a ajuda de amigos para divulgar um trabalho que tive tanto prazer em realizar, dando meu sangue para conseguir um resultado aprazível.  O que posso adiantar é que apesar de escrever há 7 anos, foi apenas em 2009 que comecei à levar mais à sério tal empreitada. A idéia surgiu de fazer um zine sobre cultura esquerda, o que mais tarde se tornou “Tragedia Infernalis – O Cântico dos Anjos Rebeldes”, divulgado em formato Pdf entre amigos de minha lista de emails. O zine contou com uma segunda edição de modo à tornar mais inteligível aquilo que queria expressar, sendo mais tarde confirmado por outros trabalhos que debatiam as mesmas questões e problemáticas. Meu primeiro livro oficial foi o “Natimortos – Um Tributo à Contracultura Gótica”, contando com algumas poesias, adágios e ensaios filosóficos, embora o resultado não tenha me agradado muito, quase não foi divulgado. Meus demais livros já contaram com uma atenção mais apurada... Ideologicamente passei por várias fazes nestes últimos 2 anos. Me vi como Satanista, noutra Gótico e assim por diante; atualmente estou tentando ser menos afeito à escuridão, despolarizando meus sentimentos do aconchego das sombras. Ninguém consegue viver apenas um lado da existência, somos seres duais, é estupidez pensar o contrário. Hora estamos tristes, hora alegres, e assim sucessivamente. A estética gótica é belíssima, mas quando usada com discernimento. No mais reconheço que tenho um pé no Cristianismo, embora raramente tenha me identificado com Jesus. Para mim é tão difícil adorá-la quanto o é acreditar em Lúcifer ou em qualquer outro mito. Acho que no fundo o mais importante é perceber o que eles representam para nós, de que forma estes arquétipos podem nos favorecer, não como muletas psicológicas, mas como trampolins para o autoconhecimento.
 Vamp – Você ainda se considera Satanista? Qual é a relação que você faz do Satanismo com Goticismo? O que seria realmente cada uma destas culturas? Em poucas palavras, defina cada um destes termos!
Cauê Braga – Não, eu não me considero mais Satanista! Na realidade estou tentando evitar assumir qualquer terminologia para definir minha essência. Somos seres únicos e como tais merecemos ter a opção de escolher alternativas melhores. O Satanismo é uma religião repleta de atrativos, principalmente aqui no Brasil. Há inúmeros autores que são verdadeiros filósofos, há abordagens para todos os gostos. Desde o “luciferianismo-quimbandista” ao “Satanismo ateu”. O motivo crucial para me esquivar de um termo como estes é que percebi que era cético demais em relação à estas figuras. No fundo nunca acreditei em tais mitos. Neste caso meu parentesco está mais próximo do Satanismo Moderno, fundado por Lavey. Mas mesmo aí há um problema, tenho sérios conflitos com algumas postulações promulgadas por ele. Resumir o homem à um predador irracional me parece fatalista demais. Não que eu defenda o pieguismo Cristão, mas acho que um meio termo é o mais aconselhável, nem ódio indiscriminado nem amor universal. A maior parte das pessoas que se engajam em atividades lúcicas, de cunho altruísta, são movidas por um imediatismo que não atinge o cerne da questão. Vivemos uma luta de classe onde o capital dita quem vive e quem morre, o Satanismo por sua vez defende a primazia do mais forte sobre o mais fraco, isso beira uma abordagem reacionária, de cunho totalitário. Reconheço que há abordagens anárquicas neste meio, mas estão longe de tratar o tema a partir de um viés marxista, onde as oportunidades sejam iguais para todos, sem recorrer aqui ao parasitismo social.  É difícil resumir, mas querendo ou não existe uma aura maligna com a qual não tenho qualquer identificação, uma atmosfera glacial advinda de uma estética de “super-homem” que mecaniza todo o nosso viver. Um sujeito varonil, impermeável a qualquer tropeço e sentimento, totalmente obscuro, vendo só o lado negativo das coisas. Ser “senhor de si mesmo”, fazendo as pazes com o outro lado reprimido da psique, esta deveria ser a busca do Satanista! Sempre vislumbrei lúcifer a partir de um contexto mais romântico, como um vampiro que vaga na noite, um condenado dos séculos vitimado por um deus impostor. Uma figura repleta de beleza, algo dolente, intimista, saudoso. Ao mesmo tempo senhor e escravo do destino. No meu último livro eu o coloquei como pai da humanidade, pois foi ele que tentou Eva e a fez “parideira” nada, dando início aos primeiros povos da terra. Inclusive existe a lenda dos nephilins que seriam filhos dos anjos caídos com as mulheres da terra. Neste quesito enxergá-lo como uma figura paterna, aconchegante, é totalmente distinto de vê-lo como um gladiador, um brutamonte sem cérebro. O Goticismo, enquanto religião da tristeza, vive em luto em razão de uma dor existencial que jamais cessa, ao passo que Lúcifer, enquanto exilado no inferno, revive as dores de sua revolta, conspirando contra o altíssimo. Ambos choram a mesma depressão, o mesmo furor, são seres solitários por natureza, pessoas afeitas ao passado, a paixão de uma liberdade jamais conquistada... O Satanismo é a religião da vida e o Goticismo a religião da morte. Uma é a exaltação da existência, a outra sua excomunhão.  Mas uma coisa é certa, não há como saber o destino de cada uma delas, pois da morte pode surgir a vida, e da vida a morte... Os Cristãos, por exemplo, consideram a vida na terra um exílio e sonham com a vida eterna, só isto bastaria para explicitar a delicadeza da questão.
 Vamp – Como foi o lançamento de cada um de seus livros? Houve muita receptividade? A divulgação saiu a contento? Existe uma mídia especializada na divulgação de trabalhos como estes? Como é sua relação com os esquerdistas do Brasil?
Cauê Braga – Bem, não houve uma divulgação propriamente dita. Até o momento não realizei nenhum evento com a intenção de ampliar a exposição de meus trabalhos. Mandei alguns emails, expus imagens no facebook, divulguei boca a boca. No mais conto com um blog e um site onde exponho meus trabalhos e hoje minha editora conta com uma livraria virtual. Falta um pouco mais de dedicação e ânimo de minha parte. Tento me superar sempre mais, no futuro talvez eu faça alguma parceria com amigos ou coisa parecida. Alguns deles se ofereceram pra divulgar os livros, fazer uma promoção, mas achei melhor esperar um pouco mais. No quesito Satanismo o espaço mais adequado é a iniciativa Morte Súbita, que conta com uma vasta coleção de ensaios e trabalhos autorais. Ainda hoje eles tem uma rede de relacionamento (bate papo) ligada ao Ning, onde os mais distintos diálogos são apreciados. Em termos de cultura gótica, há alguns zines confiáveis, como o The Funeral of Tears e mesmo o Eflúvios Sepulcrais. No momento estou sozinho nesta, estou esperando amadurecer um pouco mais os meus projetos, na hora certa as coisas serão encaminhadas.
Vamp  - Como você enxerga sua tragetória ao longo dos anos? Há alguma coisa que ainda lhe deixa insatisfeito?
Cauê Braga – Há muitas coisas que ainda preciso realizar, tudo que escrevi até agora me parece pueril demais, tendencioso e insatisfatório. Filosoficamente preciso amadurecer muito, embora comparado ao passado eu tenha amadurecido em muitos sentidos. Já não escrevo de forma truncada, e não passo tantas horas para expressar o que penso, tudo fluí como uma pena. Uma coisa que me inquieta é esta minha eterna instabilidade, não consigo me identificar com quase nada, nada parece definir aquilo que sou, tudo é enfadonho e sacal. Nenhuma religião até o momento veio preencher minhas expectativas, assim como minha obra poética estancou na aura da tristeza que venho alimentando. Quisera eu ter outros auspícios, afinal “nem só de pão viverá o homem”! rs Quero descobrir minha espiritualidade pessoal para assim “decodificar” meus percursos poéticos, minhas abordagens teóricas. Por hora apenas cambaleio entre idéias mais ou menos razoáveis, mas que pouca coisa tem em comum comigo. Falo das idéias que são razoáveis ao intelecto, não ao coração. Meu ápice se dará quando eu atravessar este momento e avistar a terra mágica do meu âmago... Apenas nela encontrarei minha plenitude como artista.
 Vamp – Quais temas são abordagens em sua obra, além da Depressão e do Satanismo? De onde você tira inspiração para escrever?
Cauê Braga – Ah, há outros temas sim. O erotismo é um deles, tenho 3 poemas nesta linha publicados no Natimortos II. No Natimortos I escrevi sobre os cabelos que crescem após o túmulo, no Noturna Lápide escrevi sobre um funeral que presenciei, sobre a brisa da praia, sobre amores que tive, mas de fato todos eles seguem uma estética sombria e deprê. Me inspiro em tudo o que vejo, quase nunca me inspirei na poesia de outros autores. Faz anos que não leio poemas, criei meu próprio estilo poético... De longe as pessoas podem avistar os meus versos, são feitos quase todos na primeira pessoa, como se fosse um diário. De fato foram feitos para assim parecerem, pois é um memorial fiel do momento em que estou vivendo.
 Vamp – Quantos livros foram lançados até o momento? Fale um pouco sobre cada um deles!
Cauê Braga – Até o presente momento foram 4, e um no formato digital. 5 ao todo. Tenho mais um para ser lançado também. O primeiro foi o Tragedia Infernalis , escrito no meio do ano de 2009. E é um compêndio de ensaios poéticos discorrendo sobre temas Satânicos, falei sobre possessão, sobre a morte, sobre o diabo, etc. O mesmo contou com alguns exemplares impressos, mas em poucas unidades, todos esgotados. O segundo foi o Natimortos I, foi meu tributo ao goticismo, explicitado acima. O terceiro foi o Natimortos II, um tributo ao Satanismo; também contou com poesias, provérbios, orações fúnebres e ensaios filosóficos. O Quarto foi uma obra poética (Noturna Lápide), contando com 34 poesias bem obscuras e extremamente pesadas, foi o auge da minha depressão. O Quinto foi uma obra filosófico ( A Filosofia do Satanismo), sendo um compêndio de ensaios que discutem e resumem a filosofia da forma como a enxergo... Meu novo livro será a continuação do Noturna Lápide, nada mais posso falar. rs
 Vamp – Como está a atual cena Satânica e mesmo Gótica do Brasil? Tem surgido muitos trabalhos e projetos por aqui?
Cauê Braga – Olha, já fui um tanto mais antenado sobre o que ocorria por aqui em termos de Satanismo e Goticismo. Posso falar até onde pesquisei, mas certamente há outras coisas surgindo por aqui. Em termos de obras filosóficas, o Satanismo foi presenteado com belos opúsculos. Lord Ahriman lançou duas obras de 2009 para cá ( Satanomicon e Ensaios do Maleficence ) , encontradas no Clube de Autores e Lilith Ahstart lançou o Lux Aeterna  - Aurora Serpente: Filosofia Luciferiana, também pelo clube de autores. Além disso, a iniciativa Morte Súbita publicou O Livro Branco do Satanismo. Adriano Camargo Monteiro lançou sua Revolução Luciferiana, lançado pela Madras. Na lide gótica temos o livro “A Happy House in a Black Planet: Introdução à Subcultura Gótica”, já esgotado na presente data. Em termos de bandas não há nem o que falar, são dezenas delas. Falarei apenas das bandas com ideologia gótica. Existem projetos como o Última Dança, Plastique Noir, Dead Pop, Rosa dos Ventos, A Banda Invisível, Days Are Nights, entre outros... Há um festival que acontece todo ano em Minas Gerais chamado Wood Gothic, que reúne todo o pessoal deste meio. Enfim, o cenário brasileiro não para de efervescer!
Vamp – O que devemos esperar dos seus futuros trabalhos? Há alguma coisa que queira nos contar sobre isso?
Cauê Braga – Chegamos ao ponto crítico da entrevista. Ultimamente tenho vivido uma montanha russa sentimental, ideologicamente tenho cometido desatinos, contradições de difícil entendimento. Atualmente estou freqüentando o Kardecismo, mas também tenho ido à Rosacruz, me desliguei do Esoterismo, fiz algumas visitas a igreja evangélica (embora não tenha me identificado com a doutrina), etc. Estou como uma “barata tonta”, observando de longe os desatinos filosóficos e doutrinários de cada um dos movimentos que já participei em outrora. Neste sentido, só o tempo poderá revelar que caminhos continuarei seguindo. Só deus sabe se nasci mesmo para o goticismo como ele nasceu para mim!
Vamp – Para aqueles que desejam dialogar com você e mesmo conhecer os seus trabalhos, de modo a adquiri-los, quais são os espaços onde poderão encontrá-lo?
Cauê Braga – Tenho um blog chamado Mórbido Confinamento e um site no Webnode intitulado Noturna Lápide. Além disso tenho uma página no site de minha editora (Ixtlan), que conta com uma livraria virtual. Afora isso tenho uma conta no facebook e mesmo no Orkut, embora seja restrito apenas para amigos. Para isso é preferível que entrem em contato comigo, pessoalmente, ou mesmo por email (caue_braga@hotmail.com).
Vamp – Agradecemos novamente a presença em nosso blog, foi de grande valia. Se puder, deixe suas considerações finais aos leitores. O Espaço é seu!
Cauê Braga – Um abraço à todos os que tomaram um pouco do seu tempo para apreciar o meu trabalho, estou imensamente grato. São iniciativas como estas que me fazem querer continuar a escrever e mesmo a trabalhar em novos projetos! Só posso dizer para nunca desistirem dos seus sonhos, por mais que eles pareçam distantes e inalcançáveis. Depressão nenhuma faz esmorecer uma vontade forte e imperiosa. Não se deixem abater pelos impropérios daqueles que jamais entenderão este mundo, o nosso universo só pode ser compreendido por aqueles que sentiram de perto a brisa da noite, o luar do crepúsculo. A cultura “marginal” é exatamente isso, um mundo dentro de outro, totalmente à par... Como dizia meu amigo Rildson Valmont: “O sol nasceu para todos, as Sombras só para alguns!”





13 comentários:

  1. adorei muito boa a entrevista parabéns pelo post http://marcelaminhasartes.blogspot.com

    ResponderExcluir
  2. Ficou bem legal a entrevista.

    Beijos

    ResponderExcluir
  3. hahaha que legal vamp =) parabéns pela entrevistaa, beijoss

    www.girlscosmetic.blogspot.com

    ResponderExcluir
  4. Arrasou Vamp com a entrevista, boas perguntas e um texto excelente, agora tem coisa que foge da minha educação religiosa, mas enfim...
    Boa entrevista!

    ResponderExcluir
  5. AMEI TEU BLOG LINDA.

    Seguindo logico...
    Se puder me segue tbem?

    Ha e participa dos sorteios ta?
    1 courformes e 1 depilação a laser
    http://paulinhapiink.blogspot.com/

    Beijinhosz♥piink

    ResponderExcluir
  6. Oie amiga!
    Parabéns pela entrevista, mto bem elaborada, ainda não tinha visto isso no seu blog, mas achei muito interessante *_*
    Bjks
    www.makeup4girlslikeyou.blogspot.com

    ResponderExcluir
  7. Bom dia anjo lindo!

    Meninas viemos avisar que hoje (11-11-2011)acontecerá o grande sorteio da Luva Removedora de maquiagem que a Iron Cosmetcs nos disponibilizou,nós havíamos falado que não aceitaríamos inscrições feitas no dia do sorteio,mas pensamos melhor e resolvemos dar mais uma chance,então vocês terão ate as 13:00 para se inscreverem,o resultado sairá a partir das 14:30.
    Não perca tempo em,essa é a última chance de você ganhar um linda Luva Removedora de Maquiagem,e melhor: Sem pagar nadinhaaaa.
    Façam suas inscrições e cruzem os dedos,pois a grande hora já está chegando!

    Boa Sorte!

    Ah para saber como participar é so ir no link abaixo:

    http://coisasdemulher21.blogspot.com/2011/10/mega-sorteioprimeiro-do-blog.html

    Bjus.

    Day e Nanda
    Coisas de Mulher

    ResponderExcluir
  8. LINDA JA ESTOU SEGUINDO
    ME AJUDA E ME SEGUE TB?

    WWW.MAKEPOPULAR.BLOGSPOT.COM

    ResponderExcluir
  9. Oi flor,boa tarde!
    Nossa quanta saudade eu estava de vir aqui te visitar.A vida as vezes é tão corrida que não da para visitar todo mundo rsrsr,espero que me entenda.Sempre que dá,venho correndo ver seu cantinho e as novidades que estão rolando aqui,eu gosto muito desse cantinho e tenho um carinho especial por ele e pela dona.Aproveito também para te desejar um ótimo fim de semana,recheado de coisas boas e muito descanso,pois todas nós merecemos não concorda?
    Você é um flor muito linda no jardim de Deus viu,e se tornou um amiga muito querida e amada.
    Ótimo dia para você!

    Ah,já ia me esquecendo...

    Gostaria de avisar que faltam só dois dias para o sorteio de três anéis la no nosso cantinho,portanto se não fez sua inscrição ainda,corra e faça,pois vale super a pena.

    O link para inscrição e para saber como participar é este aqui:

    http://coisasdemulher21.blogspot.com/2011/10/oimeninasotimo-dia-para-voces-hoje_20.html

    Fico te esperando por lá.

    Bjocas
    Nanda
    http://coisasdemulher21.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  10. amiga super adorei seu post ..saudades vc sumiu beijos


    http://rosanadicasfemininas.blogspot.com/

    ResponderExcluir

Deixe seu comentário desde ja agradeço não se esqueça de seguir o blog bjss